Nuno Ramalho

China Song

Apresentada pela primeira vez na edição de 2015 da Bienal da Maia, China Song é uma obra que se apropria, transformando-a, da história da produção de uma escultura pública. Simultâneamente, o delírio narrativo, visual e sonoro apresenta-se enquanto exercício de especulação e desafio face a cânones e registos dominantes em certo tipo de produções culturais do presente, particularmente no campo artístico em que opera.

26 Fevereiro 2020 – 21h-22h
Inauguração e projeção do vídeo China Song com presença do autor.
26 Fevereiro - 24 Março – 20h-23h (todos os dias) – Projeção de China Song.
China Song
Animação vídeo
cor, som; 8'35'' (loop)

China Song

Apresentada pela primeira vez na edição de 2015 da Bienal da Maia, China Song é uma obra que se apropria, transformando-a, da história da produção de uma escultura pública. Simultâneamente, o delírio narrativo, visual e sonoro apresenta-se enquanto exercício de especulação e desafio face a cânones e registos dominantes em certo tipo de produções culturais do presente, particularmente no c´ampo artístico em que opera.

China Song

 

Apresentada pela primeira vez na edição de 2015 da Bienal da Maia, China Song é uma obra que se apropria, transformando-a, da história da produção de uma escultura pública. Simultâneamente, o delírio narrativo, visual e sonoro apresenta-se enquanto exercício de especulação e desafio face a cânones e registos dominantes em certo tipo de produções culturais do presente, particularmente no campo artístico em que opera.

26 Fevereiro2020 – 21h-22h
Inauguração e projeção do vídeo China Song com presença do autor.

26 Fevereiro - 24 Março – 20h-23h (todos os dias) – Projeção de China Song.

China Song
Animação vídeo
cor, som; 8'35'' (loop)